wrapper

Breves

segunda, 06 março 2017 00:00

A Broa e o Bolo Negro de Loriga

Com mais de 150 anos segundo diversos testemunhos, é um bolo exclusivo de Loriga, singular na região e no país, com sabor e textura especiais, original no formato – retangular – e cor escura.

Diz a história que o Bolo Negro é herança da colónia inglesa que, no século XIX, se estabeleceu em Loriga. O facto é que o bolo logo foi adaptado ao gosto português e acabou por se tornar um produto exclusivo da vila, pelo seu sabor e textura únicos.

A cor escura é dada pela canela introduzida na receita e o formato retangular acabou por tornar-se uma marca de procedência.

Se num primeiro momento era consumido sobretudo em épocas festivas, como a Páscoa, com o tempo as pessoas passaram a querer desfrutar desse prazer sempre que lhes apetecesse. E por isso o Bolo Negro é consumido todo o ano.

Alimento marcante na cultura de Loriga permanece forte elo de ligação dos Loriguenses à sua terra.

O Bolo Negro de Loriga é um bolo simples nos seus ingredientes: ovos, açúcar, farinha, bicarbonato de sódio, canela e leite. Tradicionalmente batido de forma manual e cozido em forno de lenha, em forma de lata fina retangular com uma característica diferente: alta (12,5 cm), para a massa poder crescer e cozer sem vazar.

A Broa e o Bolo Negro de Loriga são produtos particularmente requisitados por quem visita Loriga e são objeto de apetitosa oferta gastronómica nos vários restaurantes locais.

Segundo Luís Costa, presidente da direção desta Confraria o segredo deste sabor único do Bolo de Loriga prende-se não só com “o amor e carinho com que é feito, mas, principalmente, o grande segredo está na canela”.

A indústria panificadora local promove a sua distribuição a nível nacional e para as comunidades loriguenses fora do país.

“Todos os dias de manhã, uma carrinha leva para Lisboa os sabores de Loriga, o Bolo Negro e a Broa. Vendemos localmente, em Seia, mas também para Gouveia, Oliveira do Hospital e Lisboa. Estamos a entrar no mercado da SONAE (Continente) e já assinámos um pré-contrato com uma empresa Suíça para ver se ele é bem aceite. No Luxemburgo já conseguimos entrar, em boa parte devido à nossa comunidade de emigrantes”, refere.   

 

 

A Broa de Loriga

Broas há muitas. Mas quem experimenta a Broa de Loriga percebe logo estar perante um sabor único.

Introduzida na gastronomia local há séculos, ao longo dos tempos a sua receita foi sendo apurada, de forma a adaptar-se ao gosto das gentes locais.

A Broa de Loriga tem uma identidade muito própria, forjada nos fornos de lenha coletivos, com o empenho de todos.

Há quem imagine que as broas são todas iguais. Não são. Porque só a Broa de Loriga sabe como a Broa de Loriga.

Afinal, ser inconfundível é a marca dos produtos realmente únicos.

 

 

A genuinidade e a autenticidade

Com cerca de 120 Confrades, a Confraria da Broa e do Bolo Negro de Loriga continua a preservar e a recuperar uma tradição. 

Com um único moinho a funcionar em Loriga, seria difícil fazer face a todas as quantidades produzidas. “Para a quantidade que produzimos seria difícil haver farinha suficiente. Agradecemos ao único moinho que há em Loriga. No entanto, a farinha, neste momento, está a tornar-se escassa, o que faz com que, qualquer dia, o nosso produto deixe de ser genuíno”, esclarece Luís Costa. Porém, para combater esta situação, a Confraria está a adquirir a farinha para a Broa em outros locais do concelho, nomeadamente Sandomil. “Se não fosse este moinho e o moleiro de Sandomil, a Broa genuína, tal como ela era conhecida antigamente, deixaria de existir.”

 

A arte do moleiro em vias de extinção

Loriga é uma vila com história e encerra em si um grande número de moinhos que se encontram abandonados. A Confraria está a tentar adquirir um moinho, “mas os preços solicitados são bastante elevados e assim não conseguimos comprar”, refere o presidente, e acrescenta “se ninguém pegar nesta arte do moleiro, prevê-se que nos próximos cinco/dez anos, esta arte acabe definitivamente em Loriga.”

Neste sentido e para que esta arte não se extinga, a Confraria está a trabalhar afincadamente para que a tradição volte a ser como antigamente. “No tempo áureo tivemos seis fornos, todos eles a trabalhar e muitos deles comunitários. Chegámos a ter 12 moinhos a funcionarem ao mesmo tempo, aproveitando a força das águas. Por isso, não queremos que isto acabe assim…” 

 

Partilhar este artigo

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Eduardo Cabral

Estamos na época natalícia e, dentro desse ...

Joaquim Pimentel

Dezembro corria veloz! O Natal e a festa da ...

Mário Branquinho

O governo que não fez nada no Distrito da Guarda ...

Manuel Miranda

Não me saía das recordações a exposição das ...

André Figueiredo

Atendendo ao que se tem visto temos que estar à ...

Estrela da Beira

Chegou o frio porém nós temos Música. Música essa ...