wrapper

Breves

quinta, 30 agosto 2018 00:00

PS questiona Ministro do Planeamento sobre eventual encerramento dos CTT em Fornos de Algodres e Manteigas

O deputado eleito pelo círculo da Guarda pergunta ao Ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, se o governo tem alguma responsabilidade direta ou indireta no encerramento de estações dos CTT.

O deputado socialista Santinho Pacheco, questionou hoje o Ministro do Planeamento e Infraestruturas sobre o possível encerramento das estações do CTT em Fornos de Algodres e Manteigas.

O deputado eleito pelo círculo da Guarda pergunta ao Ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, se o governo tem alguma responsabilidade direta ou indireta no encerramento de estações dos CTT e o que o executivo pode fazer para obrigar a empresa CTT ao cumprimento escrupuloso do serviço público de correios.

Adicionalmente, Santinho Pacheco questiona o ministro sobre de que forma pode o governo contribuir para que exista um serviço postal de qualidade em Fornos de Algodres e Manteigas. O parlamentar pergunta ainda quais as consequências da prática reiterada em várias regiões do país, no interior em particular, da ausência de lojas da empresa CTT.

Na pergunta dirigida ao ministro, o deputado refere que se tem assistido “à destruição paulatina e progressiva de uma empresa que nunca devia ter sido privatizada por se encontrar obrigada a prestar um serviço público e universal de correios, com a distribuição de dividendos aos acionistas muito superiores aos respetivos resultados líquidos com a redução dos serviços ou a sua transferência para terceiros com a natural perda de qualidade”.

Santinho Pacheco refere que o encerramento de lojas um pouco por todo o país “faz parte de uma estratégia bem definida de redução de custos a qualquer preço”, acrescentando que esta decisão integra a “lógica do neoliberalismo puro e duro começar sempre a reestruturação de qualquer empresa ou serviço pelos territórios mais despovoados e envelhecidos, eufemisticamente designados de baixa densidade”.

Na pergunta ao Governo, o parlamentar recorda que no ano passado, no distrito da Guarda, foi o balcão da Caixa Geral de Depósitos a encerrar para acrescentar que “o interior já está habituado a ser assim tratado”, colocando “em causa um serviço de proximidade, com a diminuição drástica dos recursos humanos ou o natural descontentamento das populações pelo elevado tempo de espera, o consequente aumento das reclamações perante a fraca qualidade do serviço prestado em comparação com o passado”, conclui o deputado.

Partilhar este artigo

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Eduardo Cabral

Fazendo uma retrospetiva à vida humana, concluímos que só bastante tarde é que nos damos conta que os dias e anos andam tão rápidos que até parece mentira. Todavia, a longevidade que em jovens julgamos nunca lá chegar, rapidamente a atingimos, ...

Joaquim Pimentel

Alguns anos após o 25 de Abril, mais precisamente quando aquela casta de políticos que serviram Portugal e os portugueses com verdadeiro espirito de missão, no Governo ou no Parlamento – a Casa da Democracia – colocando os interesses do país e do ...

Manuel Miranda

São doentes aos milhares em situação de risco. São notícias de milhares de cirurgias adiadas. São doentes oncológicos em risco de vida com cirurgias urgentes adiadas.  Um reduzido grupo de enfermeiros consegue fazer adiar cirurgias nos hospitais ...

Estrela da Beira

No passado dia 23 de fevereiro a Sociedade Musical Estrela da Beira (SMEB) fez um concerto de apresentação do 1º CD intitulado “Contemplar”.  Este CD enaltece toda a dedicação que a SMEB tem vindo a colocar em prol da música filarmónica e da ...