wrapper

Breves

quarta, 02 outubro 2019 00:00

Entrevista a Ana Mendes Godinho, secretária de Estado do Turismo e cabeça de lista do Partido Socialista pelo distrito da Guarda às próximas eleições

“Não interessa dizer que se faz. O que interessa é fazer.”

Jornal de Santa Marinha (JSM): Como é que surgiu a oportunidade de ser cabeça de lista pelo PS, pelo Distrito da Guarda?

Ana Godinho (AG): Resultou de uma iniciativa do próprio PS da Guarda de sugerir e identificar o meu nome como sendo uma pessoa que tem lutado pelo interior. Nos últimos quatro anos tenho feito uma grande aposta em abrir o mapa turístico de Portugal. Esta tem sido a minha área. Por outro lado, a minha grande presença permanente no terreno levou o próprio PS do distrito propor que fosse identificado meu nome como cabeça de lista.

Desde sempre fez parte da minha vida esta ligação aqui ao território. A minha mãe era de Foz Côa. Talvez por isso tenha, também, assumido desde o início, o interior como uma bandeira e o turismo como fundamental de mobilização do território. Diria que não é só por uma questão de ligação emocional, mas também, por uma questão de inteligência estratégica de posicionamento do país. Sabemos que temos cada vez mais procura turística internacional e tínhamos que aproveitar o momento para esta dinâmica que estamos a ter em termos de procura. Temos trabalhado muito e temos tido resultado, nomeadamente das ligações aéreas.  Nestes quatro anos conseguimos, 584 novas rotas e operações aéreas para Portugal. Claramente que isto nos ligou ao mundo e abriu-nos novos mercados, nomeadamente, o mercado brasileiro, americano, canadiano, chinês, australiano…

Mas precisávamos de ter uma estratégia para desconcentrar a procura e aproveitar este momento para trazer as pessoas para descobrir o interior. Por isso, apostámos muito e criámos um programa especial chamado “Valorizar” em que, pela primeira vez, assumimos que tínhamos de ter algo positivo para acelerar o desenvolvimento do interior. Se no litoral já estamos com uma grande dinâmica, que é natural do mercado, aqui no interior tem de haver uma política pública que contrarie, de alguma forma, só o que o mercado sozinho faz e crie uma alavanca superior de assunção de risco por parte dos estados, para o desenvolvimento de projetos. Com o “Valorizar”, propusemos 100 milhões do orçamento do Turismo de Portugal.

JSM: E em que consiste este Projeto “Valorizar”?

AG: Alocámos 100 milhões de euros para projetos turísticos no interior. Assumimos, que no caso de projetos sem fins lucrativos, a linha do “Valorizar” assumiria 90% do risco dos projetos e relativamente a projetos com fins lucrativos assumiria 50%. No que concerne ao distrito da Guarda, temos 54 projetos a acontecer no âmbito do “Valorizar”. Queremos acelerar produto em termos de alojamento e de animação turística, mas também ajudar a criar redes de oferta para ganhar escala e trabalhar, também, com a operação turística, ou seja, trazer operadores turísticos para o território e colocá-lo no mapa internacional. O programa “Valorizar” é isto mesmo, puxar pelo turismo, assumindo que este pode ter aqui um papel de instrumento valorizador do território e alavancador de outras atividades.

JSM: Mas o desenvolvimento do distrito não funciona somente com o Turismo… 

AG: O turismo pode ser claramente uma alavanca importante, mas não só. Temos de ter aqui outras atividades âncora, como a agricultura, os vinhos, a logística, os transportes… temos de acelerar, também, esta capacidade de atração de investimento e fixar investimento. Não há nenhuma região que viva somente do turismo. O turismo é um importante instrumento não só de captação de visitantes, mas de novos residentes, de novos estudantes e de novos trabalhadores, porque o turismo é, também, um cartão-de-visita. Muitas vezes as pessoas vêm cá só como meros turistas e, depois, transformam-se em verdadeiros investidores e fixam-se no território.

JSM: Há pouco falou que a sua mãe era de Foz Côa, portanto conhece bem o distrito ou ele é só uma estratégia eleitoral?   

AG: Sinto-me uma verdadeira embaixadora do distrito por andar no território e no terreno. A minha marca de vida tem sido esta. Primeiro conhecer, para depois divulgar e promover o território. Nos últimos quatro anos posso dizer que, em termos profissionais, tive mais de 40 vezes neste contacto permanente com o território, porque só assim é que foi possível criar o programa “Valorizar”, trazer jornalistas internacionais e trazer, pela primeira vez, o Congresso Ibérico de Turismo. Isto aconteceu por causa do contacto permanente que tivemos com este território e sabíamos as suas necessidades.

Não adianta termos pessoas que não conheçam o território e que não tenham os olhos postos aqui. Por isso criei uma equipa dedicada só ao turismo no interior, precisamente para que os olhos estejam nesta região. Para o distrito assumimos que uma das prioridades é ter os olhos colocados aqui para influenciar os centros de decisão. Um dos meus compromissos é ter na Guarda um Centro Nacional dedicado ao turismo do interior. Por outro lado, assumimos a verdadeira descentralização com projetos concretos que temos em curso para aqui ficarem instalados serviços públicos.

JSM: E quais os projetos que têm em curso?

AG: A serem aqui localizados, temos o Centro de Educação Rodoviária, que é uma nova agência que vai ser criada, e o Centro de Comando dos GIPS que, também, vai ser na Guarda. No âmbito do Governo, do qual faço parte, foi sempre assumido que o interior é uma prioridade. Hoje em dia, não há partido nenhum que diga que o interior não é uma prioridade. Depois, assumimos o início da redução das portagens que é o princípio de um processo que é fundamental para garantir a mobilidade e a acessibilidade ao território. Iniciámos, igualmente, o Registo Predial Rural para a regularização de todo o Registo do Solo Rural, de modo a podermos identificar a propriedade. Tudo isto é uma viragem de colocarmos o interior nas prioridades. Depois, é preciso ter a coragem de implementar todas estas medidas e isto só se consegue com a maioria parlamentar e consensos parlamentares.

JSM: Já falámos em várias medidas e em vários projetos para o interior. E em termos de saúde? Não acha que a saúde está pelas ruas da amargura no nosso distrito?

AG: Quando fala em ruas da amargura, não posso concordar consigo, porque, a certa altura, passámos todos a uma fase de alarmismo da população. Se olharmos para a evolução do orçamento da ULS da Guarda, e se compararmos 2014 com 2019, temos mais 14 milhões de euros de orçamento afeto à ULS da Guarda. O que estou a tentar dizer é que, de vez em quando, temos um ruído de alarmismo que resulta, certamente, de alguma preocupação eleitoralista que sentimos que está a acontecer no terreno e que fomenta muito o medo das pessoas. As pessoas não têm a memória curta e lembram-se bem quem é que desinvestiu totalmente em termos de serviços públicos, de encerramento de tribunais e que cortou em termos de rendimentos nos salários…

Não quero com isto dizer que a saúde não tenha de ser uma prioridade. Temos um problema de capacidade de atração de recursos humanos na área da saúde, nomeadamente, de médicos e de enfermeiros para o interior. Foram tomadas algumas medidas, mas não são suficientes. É preciso reformar e continuar este caminho com medidas especiais e insistir.

JSM: A lista anteriormente apresentada pelo Secretariado da Federação foi chumbada. Isso não enfraqueceu esta lista?

AG: O que tenho sentido é a forma mobilizadora e acolhedora por parte de todos. Tem sido extraordinária a quantidade de pessoas que estão connosco a construir o programa.

Estamos num momento de viragem para a Guarda. Temos uma lista que reflete a transversalidade, a diferença que o próprio distrito tem. Temos Seia muito bem representada com a Cristina Sousa, que é uma mulher que tem dado cartas e mostrado como é possível afirmar o território; temos o Fábio que representa a nossa juventude; temos a Marisa que representa bem a Guarda e as mulheres que fazem a força da lista; temos a Rita Mendes… e o Santinho Pacheco que tem defendido, pela sua história e pela sua permanente reivindicação, os interesses pelo território. Eu diria que tudo o que o território tem conseguido ao longo destes quatro anos de governação foi muito graças à capacidade reivindicativa, mas com responsabilidade, que o deputado Santinho Pacheco assumiu durante estes anos na Assembleia da República. É um exemplo daquilo que deve ser um deputado ativo a defender os interesses do distrito, ao contrário de outras pessoas que dizem que reivindicam, que fazem e depois têm pouca capacidade de concretização. Não interessa dizer que se faz. O que interessa é fazer.

Estamos aqui para encontrar soluções, saídas e futuro. Não é só resolver os problemas. É resolvê-los, com seriedade, mas, acima de tudo, construir condições para o futuro.

    

 

Partilhar este artigo

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Eduardo Cabral

Fazendo uma retrospetiva à vida humana, concluímos que só bastante tarde é que nos damos conta que os dias e anos andam tão rápidos que até parece mentira. Todavia, a longevidade que em jovens julgamos nunca lá chegar, rapidamente a atingimos, ...

Joaquim Pimentel

Alguns anos após o 25 de Abril, mais precisamente quando aquela casta de políticos que serviram Portugal e os portugueses com verdadeiro espirito de missão, no Governo ou no Parlamento – a Casa da Democracia – colocando os interesses do país e do ...

Manuel Miranda

São doentes aos milhares em situação de risco. São notícias de milhares de cirurgias adiadas. São doentes oncológicos em risco de vida com cirurgias urgentes adiadas.  Um reduzido grupo de enfermeiros consegue fazer adiar cirurgias nos hospitais ...

Estrela da Beira

No passado dia 23 de fevereiro a Sociedade Musical Estrela da Beira (SMEB) fez um concerto de apresentação do 1º CD intitulado “Contemplar”.  Este CD enaltece toda a dedicação que a SMEB tem vindo a colocar em prol da música filarmónica e da ...