wrapper

Breves

sexta, 29 maio 2020 00:00

Covid-19: Bispo da Guarda pede “cautelas” e “alguma paciência” aos fiéis no regresso das cerimónias Destaque

O bispo da Guarda considerou hoje que a reabertura das assembleias litúrgicas é feita com “cautelas” e pediu “alguma paciência” aos fiéis pela necessidade do distanciamento e pela higienização, devido ao combate à pandemia da covid-19.

“Depois de dez semanas de interrupção das nossas assembleias litúrgicas, com destaque para as dominicais, vamos reiniciá-las nos próximos sábado e domingo, dias 30 e 31 de maio, com a Solenidade do Pentecostes. Regressamos com as cautelas exigidas pelo combate à pandemia, que, de facto, ainda não nos deixou, mas foi-nos ensinando a necessidade de adotar certas cautelas”, refere o bispo numa nota pastoral publicada na página da internet da diocese da Guarda.

O prelado diocesano escreve que no regresso das cerimónias religiosas comunitárias é necessário cumprir sobretudo duas recomendações: o distanciamento e a higienização.

“Isso implica ordem no acolhimento e distribuição das pessoas, dentro dos espaços litúrgicos, como também no exterior, quando se opta pela celebração ao ar livre, como está recomendado, se as circunstâncias meteorológicas o permitirem e a dignidade do espaço estiver garantida”, explica.

Segundo Manuel Felício, nos últimos dias tem havido um “visível esforço” nas paróquias “para levar aos fiéis o conhecimento das recomendações e também garantir o acolhimento e o acompanhamento necessários”.

No entanto, aos fiéis em geral, o bispo pede “alguma paciência e esforço por ajustar os hábitos adquiridos aos novos condicionamentos, sobretudo à necessidade do devido distanciamento e da higienização”.

“Sendo assim, não estamos à espera de que tudo vá voltar à normalidade anterior. Pelo contrário, temos que saber adaptar-nos à nova ‘normalidade’, no esforço conjunto por garantir condições de saúde para todos”, admite.

O bispo da Guarda reafirma que vão continuar a verificar-se condicionamentos que é necessário respeitar, como os batizados, crismas e matrimónios, que “deverão ser adiados para tempos de maior normalidade”.

Em situações “absolutamente necessárias”, devem seguir-se as orientações da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP).

“Festas, incluindo procissões, peregrinações e romarias, continuam suspensas, pelo menos até 30 de setembro próximo, pelo que fica também cancelada a nossa peregrinação anual ao Santuário de Fátima, que estava marcada para o final de agosto”, indica Manuel Felício.

 

Partilhar este artigo

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Eduardo Cabral

Estamos quase no fim do mês de dezembro de 2019 e a entrarmos no ano de 2020.

Joaquim Pimentel

A leitura que vou procurando fazer no dia-a-dia duma vida muito ocupada e com acrescidas preocupações, permite alargar os meus conhecimentos os quais, confesso, são limitados e dar conta do que se vai passando em meu redor. Não resisto, pois, a ...

Manuel Miranda

Natal. As notícias não deixam esquecer o Natal. As televisões mandam jornalistas para os grandes centros comerciais para registarem os entusiasmados, a azáfama das compras. 

Estrela da Beira

2019 está já a terminar. Foi um ano cheio de muitas surpresas, de muitas atividades e de mudança para a nossa banda.