wrapper

Breves

Vindo de férias, cá estamos, novamente,em contacto com os nossosleitores, fazendo votos para que todos estejam de saúde e boa disposição.

 

Já contávamos que nesta edição iria haver muita matéria para escrever e levar aos nossos leitores, mas, sinceramente, por tanta coisa que ouvimos e lemos, a vontade para escrever é muito pouca.

Todavia, as circunstância atuais não nos permitem ficar indiferentes a tudo aquilo que traz os portugueses expectantes quanto à situação política portuguesa.

Sendo as eleições para as legislativas no dia 4 de outubro, há mais de meio ano que os partidos políticos andam em campanha eleitoral, onde os seus líderes tentam passar a mensagem a um povo que vive há quatro anos amordaçado por um governo que ditou leis que quase, todas elas, recaíram sobre os pobres, classe média/média alta, comerciantes,

pequenos industriais, clivando ainda mais a pobreza já existente.

Enchem-nos com números e mais números e a vida dos portugueses cada vez mais a afundar-se. A miséria campeia por todo o lado e não a querem ver.

Tudo isto é a grande parte da realidade do país, enquanto existem tantos sacrificados, como nós, mas ainda assobiam para o lado e a bater palmas à situação.

Lamentamos, porém, quase toda a imprensa com os seus critérios editoriais que se juntam e clamam, alguns ardilosamente, colados ao poder, como se neste país corresse leite e mel. É uma vergonha!

A direita grita, junta-se e clama que muita coisa fez. E fez! Mas vendem Portugal e portugueses à União Europeia, diga-se Bruxelas.

Neste momento, nada temos a salvar e o que temos é tão pouco que já não interessa defender. Temos consciência que a situação vinda de outros governos não era boa, mas também sabemos que o subprime 2007/2010 na América percorreu todo o mundo e Portugal não seria exceção e não o foi.

Só os políticos e pseudopolíticos não querem ver o óbvio.

No entanto, cada um tenta puxar a “brasa à sua sardinha”, vamos lá saber por quê! Naturalmente a sociedade está dividida em classes sociais: os muito pobres e pobres, tentam o melhor bem-estar para as suas vidas; a classe média puxa por uma vida melhor e menos sacrificada; os ricos e muito ricos juntam-se e, com o seu dinheiro e poder, gladiam-se

uns contra os outros, como agiotas para, no fim, explorarem e desgraçarem ainda mais o povo.

A que classe pertencemos? O que defendemos? Em quem vamos votar no dia 4 de outubro? Não nos esqueçamos que o voto de cada um de nós é um dever cívico. Por isso, não fiquemos em casa e votemos.

Temos de nos lembrar que o nosso voto é a única arma que temos para deixarmos de estar amordaçados e de nos livrarmos da miséria em que nos fizeram cair.

Muitas promessas se têm feito: agora, quando já se deviam ter concretizado, sabemos que a intenção é o votar no seu partido. Todavia, entre eles votemos naquele que melhor defende os nossos interesses.

Ao abster-nos do voto, nunca ficaremos com o direito de reclamar seja aquilo que for. Por isso, não podemos deixar de votar no dia 4 de outubro.

Reflitamos bem antes de votar e votemos onde possamos, em liberdade, construir uma sociedade mais justa, mais fraterna e solidária, como reclama o Papa Francisco, tanto no Vaticano como aos povos de outras nações.

Partilhar este artigo

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Eduardo Cabral

Estamos quase no fim do mês de dezembro de 2019 e a entrarmos no ano de 2020.

Joaquim Pimentel

A leitura que vou procurando fazer no dia-a-dia duma vida muito ocupada e com acrescidas preocupações, permite alargar os meus conhecimentos os quais, confesso, são limitados e dar conta do que se vai passando em meu redor. Não resisto, pois, a ...

Manuel Miranda

Natal. As notícias não deixam esquecer o Natal. As televisões mandam jornalistas para os grandes centros comerciais para registarem os entusiasmados, a azáfama das compras. 

Estrela da Beira

2019 está já a terminar. Foi um ano cheio de muitas surpresas, de muitas atividades e de mudança para a nossa banda.