wrapper

Breves

No lado de lá do Atlântico continuam a existir motivos de preocupação relativamente à “má” publicidade que Trump acaba por fazer do seu país e da instituição presidencial norte-americana.

A forma como se tem dirigido ao seu adversário revela grosseirismo não dignificando a campanha eleitoral e quem apoia Trump. Veremos como vão ficar as coisas depois das eleições. Mas uma coisa parece certa: não será muito fácil a nenhuma das partes - republicanos e democratas – governarem o país depois dos fenómenos sociais recentes.  

Por cá regista-se com desagrado a tentativa de tornar obrigatória uma aplicação para telemóvel. Por variadas razões: primeiro, porque quem não tem telemóvel não deve ser obrigado a adquiri-lo, segundo, porque a aplicação pode não ser “instalável” num determinado telemóvel, e, como tal, ninguém deve ser obrigado a instalar a aplicação ainda que seja proprietário de um telemóvel.  A pandemia não deve justificar tudo. O bem “saúde pública” pode implicar, seguramente, a limitação de alguns direitos, mas tal só deve ser feito na medida em que a protecção daquele bem o justifique e que para tal seja necessário.

Por aqui à volta há quem não desista de reivindicar o regresso ao anterior mapa de freguesias, pelo menos numa das antigas e que agora caminha com Seia de mãos dadas. Sem dúvida que a reorganização administrativa de Miguel Relvas e Passos Coelho foi mal feita e a régua e esquadro, e que, como tal, é justo que se dê voz a todos os que queiram alterar uma situação mal resolvida. Mas não se duvide que como método de correcção e de racionalização a reorganização administrativa é sempre um excelente instrumento para introduzir inovação e formas diferentes de gestão do território. O argumento da proximidade não pode colher sempre como argumento em si mesmo, já que estar próximo do “freguês” nem sempre significa que se resolvem melhor os problemas. Pertencer a uma freguesia na sede de um concelho, só por si já quase garante melhor tratamento, por isso aqui deve interessar mais a proximidade com o “poder maior” do que com um poder próximo mas que terá dificuldade em resolver problemas. Mas, para além desta perspectiva pragmática, importa que seja dada a possibilidade de as populações se pronunciarem de forma aberta, debatendo as diversas possibilidades, e, preferencialmente, que as decisões devam ser tomadas através de referendo. 

 

Partilhar este artigo

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Eduardo Cabral

Estamos quase no fim do mês de dezembro de 2019 e a entrarmos no ano de 2020.

Joaquim Pimentel

A leitura que vou procurando fazer no dia-a-dia duma vida muito ocupada e com acrescidas preocupações, permite alargar os meus conhecimentos os quais, confesso, são limitados e dar conta do que se vai passando em meu redor. Não resisto, pois, a ...

Manuel Miranda

Natal. As notícias não deixam esquecer o Natal. As televisões mandam jornalistas para os grandes centros comerciais para registarem os entusiasmados, a azáfama das compras. 

Estrela da Beira

2019 está já a terminar. Foi um ano cheio de muitas surpresas, de muitas atividades e de mudança para a nossa banda.