wrapper

Breves

Em 4 de outubro, os portugueses vão ser chamados a votar para escolher os deputados da Assembleia da República e o governo do país.

As lutas começaram a surgir, aquando da elaboração das listas de candidatos. Logo por aí, ficou bem claro que os partidos que reclamam tanta democracia para o país e para o mundo não a respeitam nem a exercem sempre que eles próprios são chamados a tomar posições acerca da organização das próprias listas. Quando chega o momento de escolher os candidatos ao Parlamento, não há democracia que valha à vontade do Secretário-geral do Partido ou ao desejo do Presidente, segundo o sistema organizacional de cada força partidária. Nesse momento, não importa o voto das concelhias nem a indicação das distritais. Um pouco à boa maneira do rei de França de outros tempos: “ La loi c’est moi” . “ A lei sou eu!”

Convenhamos que, assim, não é fácil acreditar na política e nos seus agentes. Afinal, se a politica é trabalhosa, exigente e mal paga por que razão toda a gente quer viver à sua custa, seja como autarca, deputado ou governante?... Seia assistiu, uma vez mais, com acomodação e paciência à sua rejeição pelo partido socialista e o seu Secretário-Geral, António Costa. Temos de interiorizar a ideia e assumi-la em definitivo que, nem temos peso nem políticos à altura. Passámos a ser uns “tristes”! Batem-nos quando querem e como querem e ainda nos manifestamos disponíveis para os ajudar a eleger. Seia não é um concelho qualquer nem pode ser tratado como tal por quem não tem respeito pela vontade das pessoas e a grandeza das secções, numa palavra por quem não parece ser democrata.

Vão aparecer, de novo, os “papagaios” a repetir promessas doutros tempos e a assumir novos compromissos. Prometem tudo e mais umas botas, esquecendo-se até que algumas das promessas que, agora, fazem, foram obras que constavam de programas eleitorais de 2008 que nem o facto de ser governo deixou de fazer com que o PS as concretizasse!

Onde estavam nessa altura, os tais “papagaios”? Porque o não exigiram os governantes de então, Paulo Campos, Mário Lino e Sócrates?… Chama-se a isto descaramento desfaçatez e lata, não acham? Esperamos bem que os portugueses estejam alerta e vejam no que se metem! Os facilitismos de Sócrates, Costa, Paulo Campos e tantos outros são de triste memória para os portugueses, tendo-nos conduzido, praticamente, ao fatalismo.  

Temos a certeza de que o povo português, escaldado como ficou, não irá mais em conversas da treta ou cartas de cisne. É duro ter de encarar a realidade mas é necessário e urgente que o façamos! 

 

Partilhar este artigo

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Eduardo Cabral

Fazendo uma retrospetiva à vida humana, concluímos que só bastante tarde é que nos damos conta que os dias e anos andam tão rápidos que até parece mentira. Todavia, a longevidade que em jovens julgamos nunca lá chegar, rapidamente a atingimos, ...

Joaquim Pimentel

Alguns anos após o 25 de Abril, mais precisamente quando aquela casta de políticos que serviram Portugal e os portugueses com verdadeiro espirito de missão, no Governo ou no Parlamento – a Casa da Democracia – colocando os interesses do país e do ...

Manuel Miranda

São doentes aos milhares em situação de risco. São notícias de milhares de cirurgias adiadas. São doentes oncológicos em risco de vida com cirurgias urgentes adiadas.  Um reduzido grupo de enfermeiros consegue fazer adiar cirurgias nos hospitais ...

Estrela da Beira

No passado dia 23 de fevereiro a Sociedade Musical Estrela da Beira (SMEB) fez um concerto de apresentação do 1º CD intitulado “Contemplar”.  Este CD enaltece toda a dedicação que a SMEB tem vindo a colocar em prol da música filarmónica e da ...