wrapper

Breves

Há muito, muito tempo que uma esmagadora maioria dos nossos políticos, evidência com clareza que está na política para tratar de si, dos seus e do partido em detrimento do povo e do país. Ao determo-nos na sua repetida atuação, facilmente chegamos á conclusão de que esta democracia e estes políticos estão longe das razões que ditaram a Revolução dos Cravos e dos princípios e conceitos que nortearam os capitães. Ao fazerem uma avaliação á evolução da democracia e ao comportamento dos políticos, os militares que ainda restam, devem sentir-se envergonhados, angustiados e tremendamente desiludidos. Aos indisfarçáveis desvios que se verificam até agora, somam-se as atitudes reprováveis dos agentes políticos em que campeiam a mentira, a demagogia e a corrupção. O povo português tem sido infelizmente a grande vítima da inesperada e execrável atuação da maioria dos seus representantes. E quanto mais avança o tempo mais cimentamos a ideia de que esta casta de políticos, salvo raras e honrosas exceções, não presta para nada. 

O momento que o país vive após o ato eleitoral de 4 de Outubro constituiu um indiscutível e incontornável testemunho de que a única razão que move os políticos é o seu interesse pessoal. Uns transformam derrotas em vitórias e sonham ser poder nem que para isso tenham de esquecer ou mesmo abandonar conceitos, princípios e doutrinas do próprio partido. Outros, querem á força correr com os que lá estão e ganharam, de novo as eleições por expressa vontade do povo que a manifestou democraticamente. Outros ainda, fazem tudo para se manter no poder não tanto em nome do país e do povo mas mais numa tentativa de se eternizarem nos lugares embora seja lícito e justo ter de reconhecer que ganharam as eleições. 

Ao fim e ao cabo, todos olham primeiro e acima de tudo para o seu umbigo. Uns mais que outros, naturalmente.

No meio de toda esta confusão, cada vez sentimos mais saudades de Sá Carneiro, Adelino Amaro da Costa, Ramalho Eanes, Salgado Zenha e Álvaro Cunhal entre outros. Será que essa “tralha” não aprendeu nada ou quer, consciente e definitivamente perseguir a asneira. Se os prejuízos se refletissem neles ainda era o menos. O pior é que quem se lixa é o mexilhão, isto é o povo e o país. Amordaça-se, mente-se e rouba-se em nome do 25 de Abril e dos capitães? Triste sina a nossa e a do nosso país!

 

 

Partilhar este artigo

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Eduardo Cabral

Fazendo uma retrospetiva à vida humana, concluímos que só bastante tarde é que nos damos conta que os dias e anos andam tão rápidos que até parece mentira. Todavia, a longevidade que em jovens julgamos nunca lá chegar, rapidamente a atingimos, ...

Joaquim Pimentel

Alguns anos após o 25 de Abril, mais precisamente quando aquela casta de políticos que serviram Portugal e os portugueses com verdadeiro espirito de missão, no Governo ou no Parlamento – a Casa da Democracia – colocando os interesses do país e do ...

Manuel Miranda

São doentes aos milhares em situação de risco. São notícias de milhares de cirurgias adiadas. São doentes oncológicos em risco de vida com cirurgias urgentes adiadas.  Um reduzido grupo de enfermeiros consegue fazer adiar cirurgias nos hospitais ...

Estrela da Beira

No passado dia 23 de fevereiro a Sociedade Musical Estrela da Beira (SMEB) fez um concerto de apresentação do 1º CD intitulado “Contemplar”.  Este CD enaltece toda a dedicação que a SMEB tem vindo a colocar em prol da música filarmónica e da ...