wrapper

Breves

O presidente da Comissão Europeia quer acabar com a troika, a Alemanha não quer. O Parlamento Europeu já recomendou o seu fim.

O governo de Passos Coelho está agarrado à troika. Submisso, segue as politicas de austeridade da troika.

A troika é um tripé composto pela Comissão Europeia, pelo BCE e pelo FMI, que nos aparece nas televisões num grupo de pessoas misteriosas, de olhar sombrio, com ares de bons técnicos, muito bem pagos pelas receitas de austeridade que nos trazem.

E as receitas são desemprego, salários de miséria, trabalho precário, pensões de fome, corte de subsídios e abonos, aumento de impostos e privatizações de tudo o que dá lucro.
Foi a isto que assistimos nestes anos de troika, foi isto que levaram à Grécia, e a todo o sítio por onde passam. O modelo da troika atinge a dignidade das pessoas, palavras do presidente da Comissão Europeia. Por onde passa leva a austeridade, deixa a pobreza.

O maior desafio do mundo é o de combater as desigualdades sociais, que são gritantes e obscenas. Um punhado de ricos cada vez mais ricos e o mundo dos pobres sempre a alastrar. As receitas da troika servem para agravar o fosso entre o grupo da riqueza e o da pobreza.

Recuando uns anos, a linha que separava o mundo da riqueza do mundo da pobreza estava em África. Nos últimos anos, essa linha tem vindo para norte, agora atravessa a França. Portugal está nos países da pobreza.

A pobreza alastrou, atinge grupos sociais antes com vida estável. O grupo da abundância tornou-se um pequeno grupo, mas com riqueza acrescentada.
Em Portugal, a fome entrou nas escolas, em cada três crianças, há uma criança que passa fome. E esta situação está relacionada com as politicas de austeridade.

A austeridade da troika fez que em Portugal a riqueza produzida encolhesse de 6,5%. Ficamos assim mais pobres porque produzimos menos. Fez 400.000 desempregados, a somar aos que já estavam desempregados. Fez emigrar 300.000 jovens, levando o que aprenderam nas universidades. Destruiu uma infinidade de pequenas empresas, descapitalizadas e sem consumidores das suas produções. As empresas estratégicas foram privatizadas. Estão nesta lista a Cimpor, EDP, REN, ANA entre outras. Outras seguem os meus caminhos.

O fim da riqueza nacional.

Nos bancos, outra desgraça. O BPN desapareceu por roubos descarados. Gente conhecida no saque, e andam por aí inocentes.
Agora o BES, uma estrutura grandiosa enterrada em dívidas, roubos, más administrações.
Governantes incapazes, submissos aos ditames da troika, preparados para servirem outros donos, são os responsáveis.
O lote de políticos que do governo saltam para os negócios das empresas é um batalhão de gente. Os mesmos que arrastaram o país para este estado.
Com tanta austeridade, com tantos cortes nos ordenados e nas pensões, com tantos impostos, com tantos cortes nas prestações sociais, com tantos despedimentos de funcionários públicos, a dívida continua a crescer. Passou nestes últimos anos de 80% do PIB, para 128%.

E se olharmos para o lado, vemos que aqueles que ainda trabalham sentem-se massacrados e humilhados em empregos precários, com salários baixos.
E se entrarmos num hospital não sabemos o que nos poderá acontecer. Muitas horas nas urgências, taxas moderadoras indecentes, vítimas de uma trama para desacreditar e destruir os serviços públicos de Saúde.

Nas escolas, uma desorientação. Alunos em excesso por turma, professores humilhados e desautorizados.
Já o fisco, rápido e eficaz. Apodera-se de tudo. Massacra-nos com impostos. Impostos que não chegam para alimentar as serventias da governação, onde se multiplicam cargos inúteis com gente mal preparada, mal formada, bem protegida.

Partilhar este artigo

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Eduardo Cabral

Estamos quase no fim do mês de dezembro de 2019 e a entrarmos no ano de 2020.

Joaquim Pimentel

A leitura que vou procurando fazer no dia-a-dia duma vida muito ocupada e com acrescidas preocupações, permite alargar os meus conhecimentos os quais, confesso, são limitados e dar conta do que se vai passando em meu redor. Não resisto, pois, a ...

Manuel Miranda

Natal. As notícias não deixam esquecer o Natal. As televisões mandam jornalistas para os grandes centros comerciais para registarem os entusiasmados, a azáfama das compras. 

Estrela da Beira

2019 está já a terminar. Foi um ano cheio de muitas surpresas, de muitas atividades e de mudança para a nossa banda.