wrapper

Breves

Nas voltas da crise há de tudo. Como estamos de eleições à porta, não faltam tiradas de prosperidade.

Nessa onde, a ministra das Finanças teve uma tirada para não esquecer. Orgulhosa da sua proeza, em reunião com os jovens militantes do seu partido, disse que tem os «cofres cheios» de dinheiro. E logo dirigindo-se aos futuros dirigentes políticos, numa de colaborar para o aumento da natalidade, que anda muito por baixo neste país, acrescentou: «vão e multipliquem-se».

“Multipliquem-se!... “Os cofres cheios” de dinheiro emprestado, para voltar a quem o emprestou. “Cofres cheios” num país endividado que não produz o suficiente para pagar o que deve. Dívida que cresce ao ritmo da especulação do sistema financeiro que suga os países mais pobres para dar lucro aos mais ricos.
“Os cofres estão cheios” à custa dos impostos pagos pelos contribuintes, cheios à custa dos roubos nos ordenados, nas pensões dos idosos, do dinheiro que retiraram das prestações sociais, da educação e da saúde.

“Os cofres estão cheios” e a mancha da pobreza no país alargou em todos os sentidos. São muitos milhares de crianças que chegam à escola com fome.
“Vão e multipliquem-se”, uma recomendação dirigida aos jovens, a quem antes recomendaram que emigrassem e que deixassem de ser “piegas”, que desaparecessem para outros países.

Em tom totalmente diferente e com outra sensibilidade falou o presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, ao dizer que a Europa está a pedir sacrifícios aos cidadãos “para salvar os bancos”, e que é preciso “envolver os parceiros sociais na defesa de um modelo social que há muitos anos está a ser destruído”.

Martin Schulz disse ainda que se “pedem sacrifícios aos cidadãos, aos pais, para aceitarem salários mais baixos, impostos mais altos e menos serviços, com os filhos desempregados”, mas para “salvar os bancos” da falência há dinheiro, mesmo para acudir a administrações incompetentes e corruptas, principescamente bem pagas. O banco BES é um caso exemplificativo, como já foi o BPN, o BPP, para falar só de casos que conhecemos por cá. 

E Martin Schulz acrescentou que se não voltarmos a um tratamento igualitário e justo, as promessas de uma Europa desenvolvida ficarão por cumprir. Referiu ainda o desemprego jovem na Grécia, na Espanha, também em Portugal e noutros países, mesmo naqueles que antes respiravam prosperidade, como uma calamidade.

E se para os desempregados a vida é uma desgraça, também para os que trabalham é uma desgraça, porque cresce o trabalho precário e mal pago, com laivos da moderna escravatura. “Mesmo os que têm emprego muitas vezes estão presos numa espiral de estágios não remunerados e de contratos de curto prazo”, acrescentou Martin Schulz.

E o que ouvimos dos políticos que nos governam é um constante martelar na necessidade de fazer reformas estruturais e as reformas estruturais que conhecemos estão centradas na desregulamentação do trabalho.

Estamos a criar uma geração sem futuro. A crise de que não somos responsáveis, somos nós que a pagamos. Uma crise que serve a alguns que ganham com a miséria de muitos.

Como vemos e ouvimos que há dinheiro de milhões de euros para estabilizar o sistema bancário e não há para a saúde, para a educação e para a protecção dos mais desfavorecidos, estamos a pactuar com uma sociedade sem sentido.

O desemprego não se combate pondo os que trabalham submetidos a um regime frenético de trabalho.

Os sinais estão aí. O descrédito, o ódio, o desprezo pelos políticos são sentimentos generalizados, nos jovens e nos mais idosos.

Caminho aberto à revolta, à violência. E a violência não se combate com mais armas, nem com mais polícias, nem com mais vigilância e investigação.

A crise está a gerar mais violência e as vítimas são as crianças, os idosos, os mais frágeis. Também por aqui andam os resultados da crise financeira.

Também o Papa Francisco está sintonizado com estas preocupações, também ele “critica salários de 600 euros por 11 horas de trabalho, a que muitos se sujeitam como consequência do desemprego e da fome”.

Partilhar este artigo

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Eduardo Cabral

Fazendo uma retrospetiva à vida humana, concluímos que só bastante tarde é que nos damos conta que os dias e anos andam tão rápidos que até parece mentira. Todavia, a longevidade que em jovens julgamos nunca lá chegar, rapidamente a atingimos, ...

Joaquim Pimentel

Alguns anos após o 25 de Abril, mais precisamente quando aquela casta de políticos que serviram Portugal e os portugueses com verdadeiro espirito de missão, no Governo ou no Parlamento – a Casa da Democracia – colocando os interesses do país e do ...

Manuel Miranda

São doentes aos milhares em situação de risco. São notícias de milhares de cirurgias adiadas. São doentes oncológicos em risco de vida com cirurgias urgentes adiadas.  Um reduzido grupo de enfermeiros consegue fazer adiar cirurgias nos hospitais ...

Estrela da Beira

No passado dia 23 de fevereiro a Sociedade Musical Estrela da Beira (SMEB) fez um concerto de apresentação do 1º CD intitulado “Contemplar”.  Este CD enaltece toda a dedicação que a SMEB tem vindo a colocar em prol da música filarmónica e da ...