wrapper

Breves

Já passou o Carnaval e, com ele, uma nova fase de preparação de novo reportório ganha ênfase. As marchas fúnebres e de procissão começam a ganhar grande relevância nas estantes dos nossos ensaios para que possamos estar bem preparados para os desafios que nos esperam durante o tempo quaresmal e pascal.

Com a abordagem ao clarinete e ao saxofone terminámos os instrumentos da sub-família das madeiras. Assim, com o trompete e a trompa, iniciamos hoje os instrumentos de sopro da sub-família dos metais. 

O trompete é, provavelmente, dos instrumentos musicais existentes atualmente que mais evoluiu. Presentes em ilustrações de túmulos egípcios as primeiras versões deste instrumentos datam de 1500 a.C.. O seu comprimento, a sua forma e o seu material foram-se modificando até que no séc. XIX com a introdução de três válvulas (pistões) adotou a imagem com que hoje é comummente conhecido. Todas as notas e gradações são conseguidas apenas com o manejo destes pistões e do bocal. Instrumento versátil é utilizado em diversos géneros musicais, sendo facilmente encontrado na música clássica, no jazz, nos mariachis, nos toques militares e nos passodobles. Louis Armstrong foi um dos seus mais famosos instrumentistas.

A trompete é, geralmente, dos instrumentos que, logo a seguir aos clarinetes, mais instrumentistas apresenta nas bandas filarmónicas.

A trompa é um instrumento de sopro muito importante na orquestra sinfónica moderna. Consiste num tubo metálico de 3,7 metros de comprimento, enrolado várias vezes sobre si mesmo, com um bocal numa das extremidades e uma campânula na outra. Munido de três, quatro ou até cinco chaves, é dos instrumentos mais ricos em harmonias.

Antigamente, foi um instrumento utilizado para a caça e fins militares, porém o interesse de grandes compositores como Haydn, Mozart, Beethoven, Schumann, Brahms, Tchaikovsky e Mahler deram-lhe o realce merecido. Deste modo, a partir do séc. XIX, ganhou um importantíssimo lugar nas orquestras.

Infelizmente, nas bandas filarmónicas o seu papel é, por vezes, diminuído sendo visto como um instrumento de iniciação e passagem. Porém, temos a certeza que, com o evoluir dos conhecimentos, esse pensamento irá alterar-se.

A todos, um bom mês de março, deixando o convite de nos visitarem. A sede da banda encontra-se em funções todas as sextas-feiras e sábados das 21.30h às 00:00h e, também, aos sábados das 9:30h às 13:00h.

Próximos serviços da banda:

28 de março: Convívio do Batalhão de Artilharia 3844 Guiné Bissau (Pinhanços)

29 de março: Concerto de Semana Santa (Santa Marinha)

Partilhar este artigo

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Eduardo Cabral

Fazendo uma retrospetiva à vida humana, concluímos que só bastante tarde é que nos damos conta que os dias e anos andam tão rápidos que até parece mentira. Todavia, a longevidade que em jovens julgamos nunca lá chegar, rapidamente a atingimos, ...

Joaquim Pimentel

Alguns anos após o 25 de Abril, mais precisamente quando aquela casta de políticos que serviram Portugal e os portugueses com verdadeiro espirito de missão, no Governo ou no Parlamento – a Casa da Democracia – colocando os interesses do país e do ...

Manuel Miranda

São doentes aos milhares em situação de risco. São notícias de milhares de cirurgias adiadas. São doentes oncológicos em risco de vida com cirurgias urgentes adiadas.  Um reduzido grupo de enfermeiros consegue fazer adiar cirurgias nos hospitais ...

Estrela da Beira

No passado dia 23 de fevereiro a Sociedade Musical Estrela da Beira (SMEB) fez um concerto de apresentação do 1º CD intitulado “Contemplar”.  Este CD enaltece toda a dedicação que a SMEB tem vindo a colocar em prol da música filarmónica e da ...