wrapper

Breves

segunda, 05 fevereiro 2018 00:00

Álvaro Amaro reconduzido na liderança dos Autarcas Social-Democratas

O congresso aprovou a moção estratégica “+ Portugal, Descentralizar para Mudar”, cujo primeiro subscritor é Álvaro Amaro.

O presidente da Câmara Municipal da Guarda, Álvaro Amaro, foi ontem reeleito presidente da Comissão Política Nacional dos Autarcas Social-Democratas (ASD).

A cidade da Guarda acolheu o VIII Congresso Nacional dos ASD, onde os autarcas do PSD elegeram ainda o presidente da Câmara de Caldas da Rainha, Tinta Ferreira, para presidir ao Conselho Nacional.

Para liderar o Conselho de Jurisdição Nacional e a Mesa do Congresso dos ASD foram eleitos os presidentes das Câmaras Municipais de Torre de Moncorvo e de Braga, Nuno Gonçalves e Ricardo Rio, respetivamente.

Foram ainda eleitos Paulo Fernandes, presidente do município do Fundão, para coordenador do Gabinete de Estudos, criado com a alteração estatutária dos ASD, e Pedro Pinto, que foi reconduzido no cargo de secretário-geral.

Aos vários órgãos dirigentes dos ASD concorreram listas únicas.

O congresso, em cuja sessão de encerramento participou o secretário-geral do PSD, José Matos Rosa, aprovou a moção estratégica “+ Portugal, Descentralizar para Mudar”, cujo primeiro subscritor é Álvaro Amaro.

No documento, os autarcas do PSD afirmam que “a moção assume o poder local como uma instância de verdadeira expressão democrática do poder com uma grande capacidade de decisão, porque mais próxima das populações”.

Os subscritores comprometem-se “no combate político pelo reforço do poder local e pelo cumprimento de um programa de transformação e modernidade que incorpore a nova geração de desafios colocados às autarquias em Portugal, num sentido de valorizar a função social do poder local democrático”.

A “visão reformista” da moção “+ Portugal, Descentralizar para Mudar” desenvolve-se em quatro eixos fundamentais, sendo que dois estão relacionados com a reforma do sistema eleitoral para as autarquias e com a reforma do Estado e da configuração dos poderes.

A adequação financeira e de recursos para as novas competências a transferir para as autarquias e a reforma dos serviços e do funcionamento das autarquias, “qualificando a sua relação com os cidadãos e estimulando o associativismo intermunicipal que responda de forma mais global às necessidades das populações”, são as outras propostas.

 

Partilhar este artigo

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Eduardo Cabral

Estamos na época natalícia e, dentro desse ...

Joaquim Pimentel

Dezembro corria veloz! O Natal e a festa da ...

Mário Branquinho

O governo que não fez nada no Distrito da Guarda ...

Manuel Miranda

Não me saía das recordações a exposição das ...

André Figueiredo

Atendendo ao que se tem visto temos que estar à ...

Estrela da Beira

Chegou o frio porém nós temos Música. Música essa ...