wrapper

Breves

Vindo de férias, cá estamos, novamente,em contacto com os nossosleitores, fazendo votos para que todos estejam de saúde e boa disposição.

 

Já contávamos que nesta edição iria haver muita matéria para escrever e levar aos nossos leitores, mas, sinceramente, por tanta coisa que ouvimos e lemos, a vontade para escrever é muito pouca.

Todavia, as circunstância atuais não nos permitem ficar indiferentes a tudo aquilo que traz os portugueses expectantes quanto à situação política portuguesa.

Sendo as eleições para as legislativas no dia 4 de outubro, há mais de meio ano que os partidos políticos andam em campanha eleitoral, onde os seus líderes tentam passar a mensagem a um povo que vive há quatro anos amordaçado por um governo que ditou leis que quase, todas elas, recaíram sobre os pobres, classe média/média alta, comerciantes,

pequenos industriais, clivando ainda mais a pobreza já existente.

Enchem-nos com números e mais números e a vida dos portugueses cada vez mais a afundar-se. A miséria campeia por todo o lado e não a querem ver.

Tudo isto é a grande parte da realidade do país, enquanto existem tantos sacrificados, como nós, mas ainda assobiam para o lado e a bater palmas à situação.

Lamentamos, porém, quase toda a imprensa com os seus critérios editoriais que se juntam e clamam, alguns ardilosamente, colados ao poder, como se neste país corresse leite e mel. É uma vergonha!

A direita grita, junta-se e clama que muita coisa fez. E fez! Mas vendem Portugal e portugueses à União Europeia, diga-se Bruxelas.

Neste momento, nada temos a salvar e o que temos é tão pouco que já não interessa defender. Temos consciência que a situação vinda de outros governos não era boa, mas também sabemos que o subprime 2007/2010 na América percorreu todo o mundo e Portugal não seria exceção e não o foi.

Só os políticos e pseudopolíticos não querem ver o óbvio.

No entanto, cada um tenta puxar a “brasa à sua sardinha”, vamos lá saber por quê! Naturalmente a sociedade está dividida em classes sociais: os muito pobres e pobres, tentam o melhor bem-estar para as suas vidas; a classe média puxa por uma vida melhor e menos sacrificada; os ricos e muito ricos juntam-se e, com o seu dinheiro e poder, gladiam-se

uns contra os outros, como agiotas para, no fim, explorarem e desgraçarem ainda mais o povo.

A que classe pertencemos? O que defendemos? Em quem vamos votar no dia 4 de outubro? Não nos esqueçamos que o voto de cada um de nós é um dever cívico. Por isso, não fiquemos em casa e votemos.

Temos de nos lembrar que o nosso voto é a única arma que temos para deixarmos de estar amordaçados e de nos livrarmos da miséria em que nos fizeram cair.

Muitas promessas se têm feito: agora, quando já se deviam ter concretizado, sabemos que a intenção é o votar no seu partido. Todavia, entre eles votemos naquele que melhor defende os nossos interesses.

Ao abster-nos do voto, nunca ficaremos com o direito de reclamar seja aquilo que for. Por isso, não podemos deixar de votar no dia 4 de outubro.

Reflitamos bem antes de votar e votemos onde possamos, em liberdade, construir uma sociedade mais justa, mais fraterna e solidária, como reclama o Papa Francisco, tanto no Vaticano como aos povos de outras nações.

Partilhar este artigo

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

À venda, nas bancas, a partir de dia 30, a edição Nº 571 do Jornal de Santa Marinha

 ASSINE ou RENOVE a ASSINATURA do Jornal de Santa Marinha. Contacte-nos!

Onde Comprar...

Pode comprar o Jornal de Santa Marinha assim como outros jornais e revistas nos seguintes estabelecimentos comerciais de Seia e São Romão:

---------------

Crisfal Papelaria (Rua Dr Simões Pereira 43) 

Casa Havaneza (Rua Dr Simões Pereira) 

Tutti-Frutti - Café Snack Bar (Av 1º de Maio, 14, Ed. Rodolfo) 

Porta Lápis - Livraria Papelaria Informática (Av 3 de Julho, A); 

Papelaria Oficina das Artes (Praça Comendador Joaquim F. Simões)

Seabra e Campos (Bombas BP); 

Shop Naf Seia (Galeria Comercial do Intermarché)

Livraria Papelaria Cafetaria Neves (R. Santo António, 1)

Eduardo Cabral

Estamos quase no fim do mês de dezembro de 2019 e a entrarmos no ano de 2020.

Joaquim Pimentel

A leitura que vou procurando fazer no dia-a-dia duma vida muito ocupada e com acrescidas preocupações, permite alargar os meus conhecimentos os quais, confesso, são limitados e dar conta do que se vai passando em meu redor. Não resisto, pois, a ...

Manuel Miranda

Natal. As notícias não deixam esquecer o Natal. As televisões mandam jornalistas para os grandes centros comerciais para registarem os entusiasmados, a azáfama das compras. 

Estrela da Beira

2019 está já a terminar. Foi um ano cheio de muitas surpresas, de muitas atividades e de mudança para a nossa banda.